Inscrições para exames de acesso à UAN 2014 terão lugar de 6 a 18 de Janeiro

Publicado 30/12/2013 09:31:14

30/12/2013 09:31:14

As inscrições para os exames de acesso à Universidade Agostinho Neto (UAN), para o ano académico 2014, iniciam na próxima segunda-feira, dia 6, prolongando-se até ao dia 18 de Janeiro de 2014, segundo anuncia hoje a instituição.

Em nota de imprensa enviada à Angop, a UAN avança que para os 43 cursos ministrados nas suas 7 faculdades e no Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA), estão disponíveis 4.733 vagas.

A UAN adianta que os candidatos deverão contactar as unidades orgânicas (Faculdades e Instituto) ou consultar o Site WWW.uan.ao para obterem o regulamento dos exames de acesso 2014.

"Os exames de acesso terão lugar no período de 27 a 31 de Janeiro de 2014, conforme calendário em anexo", lê-se no documento.

Para o presente ano lectivo a Faculdade de Ciências receberá 940 novos alunos, a de Ciências Sociais mil e 440, a de Direito 200, Economia 400, enquanto a de engenharia tem reservado 723.

Já a Faculdade de Letras receberá 590 novos estudantes, a de Medicina 120 e o Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA) 320.

Angop / Agora

Opinião

  • Despartidarizemos as nossas cabeças!
    Júlio Gomes
  • “A propriedade imobiliária do Estado”
    Galvão Branco
  • Guardei-me, para memória futura dos meus filhos!
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • Estalou o verniz democrático
    Mário Paiva
  • A crise já há muito aqui faz morada
    Júlio Gomes
  • Onde anda o Issama?
    Mateus Xavier
  • O impacto da crise sobre o consumidor final nos produtos da cesta básica
    Galvão Branco
  • Anemia Falciforme - Uma dor ignorada pelo OGE O primeiro passo para a Cidadania é o TESTE DO PEZINHO!
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • Filho-da-história: Pensar o mundo para o transformar
    Benjamim M’Bakassy
  • A parceria Angola e China: que lições tirar? (conclusão)
    Fernando Heitor
  • Morre-se a granel na metrópole
    Júlio Gomes
  • A hipoteca do Estado, o ‘kilapi’ à chinesa ou o golpe de mestre da diplomacia económica angolana?
    Norberto Costa


Não falta muito para se atingir o zero…

Em tempo de crise, quase já não se fala de combate à pobreza, embora esteja a aumentar o índice de desemprego.

Agora