Inscrições para exames de acesso à UAN 2014 terão lugar de 6 a 18 de Janeiro

Publicado 30/12/2013 09:31:14

30/12/2013 09:31:14

As inscrições para os exames de acesso à Universidade Agostinho Neto (UAN), para o ano académico 2014, iniciam na próxima segunda-feira, dia 6, prolongando-se até ao dia 18 de Janeiro de 2014, segundo anuncia hoje a instituição.

Em nota de imprensa enviada à Angop, a UAN avança que para os 43 cursos ministrados nas suas 7 faculdades e no Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA), estão disponíveis 4.733 vagas.

A UAN adianta que os candidatos deverão contactar as unidades orgânicas (Faculdades e Instituto) ou consultar o Site WWW.uan.ao para obterem o regulamento dos exames de acesso 2014.

"Os exames de acesso terão lugar no período de 27 a 31 de Janeiro de 2014, conforme calendário em anexo", lê-se no documento.

Para o presente ano lectivo a Faculdade de Ciências receberá 940 novos alunos, a de Ciências Sociais mil e 440, a de Direito 200, Economia 400, enquanto a de engenharia tem reservado 723.

Já a Faculdade de Letras receberá 590 novos estudantes, a de Medicina 120 e o Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA) 320.

Angop / Agora

Opinião

  • Sonhar com o desporto equestre
    Mateus Xavier
  • O benguelense que comprou Lisboa
    Benjamim M’Bakassy
  • A visão dos chineses
    Júlio Gomes
  • Tudo como antes em Abrantes
    Mário Paiva
  • As notícias que vêm do Palanca
    Mateus Xavier
  • Acabaram com o ‘pulmão’ do bairro
    Júlio Gomes
  • Acabem com esta ‘carnificina’ rodoviária
    Júlio Gomes
  • UNAP: 37 anos de criatividade plástica
    Norberto Costa
  • Esperanças idosas
    Mateus Xavier
  • Um sério problema chamado ‘profissionais’
    Mateus Xavier
  • Haja esforço para manejar o Português!
    Júlio Gomes
  • A propósito das danças tradicionais em risco de extinção: a tragédia e a festa
    Norberto Costa


A crise também pode constituir santo remédio

A julgar pelos dados que estão à mesa que dão conta da crise que países dependentes das receitas petrolíferas como o nosso enfrentarão nos próximos tempos, as dificuldades por que passamos serão maiores, e o Governo terá mais dificuldades em executar os seus programas.

Agora