Inscrições para exames de acesso à UAN 2014 terão lugar de 6 a 18 de Janeiro

Publicado 30/12/2013 09:31:14

30/12/2013 09:31:14

As inscrições para os exames de acesso à Universidade Agostinho Neto (UAN), para o ano académico 2014, iniciam na próxima segunda-feira, dia 6, prolongando-se até ao dia 18 de Janeiro de 2014, segundo anuncia hoje a instituição.

Em nota de imprensa enviada à Angop, a UAN avança que para os 43 cursos ministrados nas suas 7 faculdades e no Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA), estão disponíveis 4.733 vagas.

A UAN adianta que os candidatos deverão contactar as unidades orgânicas (Faculdades e Instituto) ou consultar o Site WWW.uan.ao para obterem o regulamento dos exames de acesso 2014.

"Os exames de acesso terão lugar no período de 27 a 31 de Janeiro de 2014, conforme calendário em anexo", lê-se no documento.

Para o presente ano lectivo a Faculdade de Ciências receberá 940 novos alunos, a de Ciências Sociais mil e 440, a de Direito 200, Economia 400, enquanto a de engenharia tem reservado 723.

Já a Faculdade de Letras receberá 590 novos estudantes, a de Medicina 120 e o Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA) 320.

Angop / Agora

Opinião

  • O meu país fica longe
    Júlio Gomes
  • Dinheiro, por onde andas?
    Mário Paiva
  • E se o povo se candidatasse?
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • O futuro continua tortuoso para a maioria e o Burundi está aí para demonstrar
    Loló Neto Kiambata
  • Um atentado à moral pública
    Júlio Gomes
  • Teatro no Camões e as implicações operatórias do Censo como proposta de leitura
    Norberto Costa
  • As "vacas" estão a emagrecer
    Mateus Xavier
  • Promover e vender produtos de Angola acelera a diversificação da economia
    Fernando Heitor
  • Competências essenciais: De onde vem, então, a sabedoria?
    Benjamim M’Bakassy
  • E depois de tantas visitas, onde está a Verdade?
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • Políticas ‘cacimbadas’
    Mário Paiva
  • Imigração ilegal e o garimpo de diamantes
    Galvão Branco


Como os demais culpados Neto afinal era ‘imaturo’

Agarrarmo-nos ao passado pode ser sintoma de um trauma demasiado profundo. E a sua cura não passa pelo esquecimento puro e simples como se o mesmo nunca tivesse ocorrido, mas sim pelo esclarecimento de todas as dúvidas, que acabam por funcionar como um tónico reconfortante e de lavagem psico-emocional.

Agora