Presos filmam corpos decapitados em cadeia brasileira

Publicado 07/01/2014 16:53:32

07/01/2014 16:53:32

Vários detidos alegadamente do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no Maranhão, Brasil, filmaram com um telemóvel parte da selvajaria praticada contra outros presos, incluindo a exibição de corpos ensanguentados e cabeças decapitadas.

O vídeo, de dois minutos e 32 segundos, foi divulgado hoje pelo sítio web do jornal brasileiro "Folha de São Paulo". As imagens foram encaminhadas ao jornal pelo Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Maranhão.

Nas cenas, que terão sido gravadas no dia 17 de Dezembro, é possível ver apenas a perna dos criminosos, que chegam a brincar com o corpo das suas vítimas. Um deles chuta a cabeça de um cadáver, e em seguida exibe outras duas cabeças separadas dos seus corpos.

Os detidos vítimas das agressões aparecem com diversos ferimentos profundos, causados, segundo o jornal, por cortes com facas e estiletes.

O Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Maranhão confirmou à Lusa o encaminhamento do vídeo. O arquivo com as imagens terá sido compartilhado entre os presidiários até chegar a alguém fora da cadeia e, em seguida, às mãos de responsáveis do Sindicato.

Segundo uma representante da instituição, que não quis identificar-se, não há dúvidas quanto ao local onde as imagens foram feitas, principalmente pela possibilidade de identificação do rosto das vítimas.

O Complexo Penitenciário de Pedrinhas fica localizado num bairro rural de São Luís, capital do Maranhão, no nordeste brasileiro, e tem sofrido com constantes rebeliões e brigas entre fações rivais que já levaram à morte de 62 detidos em 2013.

A cadeia está sobrelotada, com 2.500 internos, num local projetado para receber até 1.700, segundo um recente relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O documento em questão, assinado pelo juiz auxiliar da Presidência do CNJ, Douglas de Melo Martins, foi realizado após uma visita ao presídio, no dia 20 de Dezembro de 2013, um dia após a morte de um preso.

Na segunda-feira à noite, o governo do Maranhão anunciou que aceitará a oferta, feita pelo Ministério da Justiça, de transferir parte dos presos de Pedrinhas para Penitenciárias do Governo Federal.

A oferta ocorreu após os ataques deste fim de semana, quando criminosos atacaram esquadras da polícia e incendiaram autocarros, provocando a morte por queimadura de uma criança de seis anos, na segunda-feira. As ações de terror terão sido ordenadas de dentro da cadeia de Pedrinhas.

Lusa / Agora

Opinião

  • A Cidade Alta entre dois pânicos: queda brusca da receita e alta da contestação política e social
    Mário Paiva
  • A estranha morte de ‘Nhô Mané’
    Júlio Gomes
  • A apelação do cineasta Zezé Gamboa a ecoar no deserto da ‘amnésia colectiva’
    Norberto Costa
  • Uma porta aberta aos nossos craques!
    Mateus Xavier
  • A prestação de contas pelas instituições públicas
    Galvão Branco
  • A cegueira pela carreira
    Lutchíla Fuco Carlos
  • O fôlego dos sonhos: respirando Agualusa
    Benjamim M’Bakassy
  • Onde está o MPLA?
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • Os mucubais também já são ‘zungueiros’
    Júlio Gomes
  • Será o princípio do fim?
    Mateus Xavier
  • A fórmula do sucesso… existe?
    Benjamim M’Bakassy
  • A pátria não acontece, constrói-se!
    Alexandra de Victória Pereira Simeão


Regresso da ‘caça às bruxas’ da oposição

Até às eleições de 2017, muita água ainda rolará debaixo da ponte, mas o que se torna cada vez mais evidente é que, a cada dia, o MPLA perde espaço. E o sufoco que supostamente está a exercer sobre a oposição, tem feito despertar em muitos a consciência de que não sabe o que é efectivamente democracia, paz, liberdade, unidade e reconciliação nacional.

Agora