Presos filmam corpos decapitados em cadeia brasileira

Publicado 07/01/2014 16:53:32

07/01/2014 16:53:32

Vários detidos alegadamente do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no Maranhão, Brasil, filmaram com um telemóvel parte da selvajaria praticada contra outros presos, incluindo a exibição de corpos ensanguentados e cabeças decapitadas.

O vídeo, de dois minutos e 32 segundos, foi divulgado hoje pelo sítio web do jornal brasileiro "Folha de São Paulo". As imagens foram encaminhadas ao jornal pelo Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Maranhão.

Nas cenas, que terão sido gravadas no dia 17 de Dezembro, é possível ver apenas a perna dos criminosos, que chegam a brincar com o corpo das suas vítimas. Um deles chuta a cabeça de um cadáver, e em seguida exibe outras duas cabeças separadas dos seus corpos.

Os detidos vítimas das agressões aparecem com diversos ferimentos profundos, causados, segundo o jornal, por cortes com facas e estiletes.

O Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Maranhão confirmou à Lusa o encaminhamento do vídeo. O arquivo com as imagens terá sido compartilhado entre os presidiários até chegar a alguém fora da cadeia e, em seguida, às mãos de responsáveis do Sindicato.

Segundo uma representante da instituição, que não quis identificar-se, não há dúvidas quanto ao local onde as imagens foram feitas, principalmente pela possibilidade de identificação do rosto das vítimas.

O Complexo Penitenciário de Pedrinhas fica localizado num bairro rural de São Luís, capital do Maranhão, no nordeste brasileiro, e tem sofrido com constantes rebeliões e brigas entre fações rivais que já levaram à morte de 62 detidos em 2013.

A cadeia está sobrelotada, com 2.500 internos, num local projetado para receber até 1.700, segundo um recente relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O documento em questão, assinado pelo juiz auxiliar da Presidência do CNJ, Douglas de Melo Martins, foi realizado após uma visita ao presídio, no dia 20 de Dezembro de 2013, um dia após a morte de um preso.

Na segunda-feira à noite, o governo do Maranhão anunciou que aceitará a oferta, feita pelo Ministério da Justiça, de transferir parte dos presos de Pedrinhas para Penitenciárias do Governo Federal.

A oferta ocorreu após os ataques deste fim de semana, quando criminosos atacaram esquadras da polícia e incendiaram autocarros, provocando a morte por queimadura de uma criança de seis anos, na segunda-feira. As ações de terror terão sido ordenadas de dentro da cadeia de Pedrinhas.

Lusa / Agora

Opinião

  • Eles fogem do campo em busca da cidade
    Júlio Gomes
  • A divulgação e os estudos universitários da Literatura Angolana no estrangeiro (Itália e Estados Unidos)
    Norberto Costa
  • Colocar o ‘dedo na ferida’
    Mateus Xavier
  • Volatilidade do petróleo: ganhar o futuro
    Ruben Eiras
  • A esperança está viva
    Benjamim M’Bakassy
  • O que lucram os portugueses que atacam Angola?
    Loló Neto Kiambata
  • O elevador do hospital do Prenda
    Júlio Gomes
  • A representação cénica na crista da onda: o espaço do lúdico e o saber-fazer
    Norberto Costa
  • A formação que Miller (não) fez!
    Mateus Xavier
  • Os melhores: organizar+institucionalizar
    Benjamim M’Bakassy
  • A culpa morre sempre solteira - marca registada do sistema
    Mário Paiva
  • Angola. Os ganhos e perdas da Paz (2.ª parte)
    Fernando Heitor Deputado


Ser o maior partido já não significa que se é o melhor

Ao celebrar o 58.º aniversário da sua fundação, o MPLA anunciou o seu firme propósito de continuar a luta em defesa da independência, da unidade da Nação, da paz, da justiça social, da consolidação da democracia e do desenvolvimento social. É assim todos os anos e já soa como música de um disco riscado.

Agora