Pessoas que vivem em zonas altas estão mais susceptíveis a contrair malária

Publicado 07/03/2014 16:04:55

07/03/2014 16:04:55

As pessoas que vivem em terras altas em África e na América do Sul podem correr risco acrescido de contrair malária durante os anos mais quentes, segundo um novo estudo sobre a doença hoje publicado pela BBC.

De acordo com uma pesquisa feita por cientistas da Universidade norte-americana de Michigan, as altas temperaturas estão a ajudar a espalhar a malária para zonas mais montanhosas, que, de resto, consideram, têm sido um "refúgio tradicional" da doença.

"O risco da doença diminui com a altitude e é por isso que, historicamente, as pessoas se instalaram nessas regiões mais altas", disse o pesquisador da Universidade de Michigan, Mercedes Pascual, citado pela BBC.

Mas, segundo a investigação, no futuro, o aumento da temperatura pode contribuir para o registo de milhões de casos adicionais da doença em algumas destas áreas.

Os cientistas afirmam que a elevação das temperaturas pode causar uma maior disseminação e que a enfermidade está entrar em novas regiões que anteriormente eram consideradas livres da malária.

Os cientistas examinaram áreas densamente povoadas em terras altas da Colômbia e Etiópia, onde há registos pormenorizados de altas temperaturas e de casos de malária de 1990 a 2005.

No final, os investigadores concluíram que, nos anos mais quentes, a malária começou a "escalar" montanhas, enquanto em anos mais frios se mantém em altitudes mais baixas, o que, em parte, justifica o aumento substancial de casos observados nas regiões altas, disse Mercedes Pascual.

Na Etiópia, onde quase metade da população vive a uma altitude de entre 1.600 e 2.400 metros, os cientistas acreditam que pode haver muitos mais casos.

"Nós estimamos que, com base na distribuição da malária em função da altitude, uma elevação de um grau celsius da temperatura pode aumentar anualmente em três milhões os casos adicionais de malária em crianças menores de 15 anos", disse Mercedes Pascual.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, pelo menos 627.000 pessoas, nomeadamente crianças africanas, morreram de malária no ano passado, que registou 207 milhões de casos da pandemia.

Lusa / Agora

Opinião

  • O meu país fica longe
    Júlio Gomes
  • Dinheiro, por onde andas?
    Mário Paiva
  • E se o povo se candidatasse?
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • O futuro continua tortuoso para a maioria e o Burundi está aí para demonstrar
    Loló Neto Kiambata
  • Um atentado à moral pública
    Júlio Gomes
  • Teatro no Camões e as implicações operatórias do Censo como proposta de leitura
    Norberto Costa
  • As "vacas" estão a emagrecer
    Mateus Xavier
  • Promover e vender produtos de Angola acelera a diversificação da economia
    Fernando Heitor
  • Competências essenciais: De onde vem, então, a sabedoria?
    Benjamim M’Bakassy
  • E depois de tantas visitas, onde está a Verdade?
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • Políticas ‘cacimbadas’
    Mário Paiva
  • Imigração ilegal e o garimpo de diamantes
    Galvão Branco


Como os demais culpados Neto afinal era ‘imaturo’

Agarrarmo-nos ao passado pode ser sintoma de um trauma demasiado profundo. E a sua cura não passa pelo esquecimento puro e simples como se o mesmo nunca tivesse ocorrido, mas sim pelo esclarecimento de todas as dúvidas, que acabam por funcionar como um tónico reconfortante e de lavagem psico-emocional.

Agora