Pessoas que vivem em zonas altas estão mais susceptíveis a contrair malária

Publicado 07/03/2014 16:04:55

07/03/2014 16:04:55

As pessoas que vivem em terras altas em África e na América do Sul podem correr risco acrescido de contrair malária durante os anos mais quentes, segundo um novo estudo sobre a doença hoje publicado pela BBC.

De acordo com uma pesquisa feita por cientistas da Universidade norte-americana de Michigan, as altas temperaturas estão a ajudar a espalhar a malária para zonas mais montanhosas, que, de resto, consideram, têm sido um "refúgio tradicional" da doença.

"O risco da doença diminui com a altitude e é por isso que, historicamente, as pessoas se instalaram nessas regiões mais altas", disse o pesquisador da Universidade de Michigan, Mercedes Pascual, citado pela BBC.

Mas, segundo a investigação, no futuro, o aumento da temperatura pode contribuir para o registo de milhões de casos adicionais da doença em algumas destas áreas.

Os cientistas afirmam que a elevação das temperaturas pode causar uma maior disseminação e que a enfermidade está entrar em novas regiões que anteriormente eram consideradas livres da malária.

Os cientistas examinaram áreas densamente povoadas em terras altas da Colômbia e Etiópia, onde há registos pormenorizados de altas temperaturas e de casos de malária de 1990 a 2005.

No final, os investigadores concluíram que, nos anos mais quentes, a malária começou a "escalar" montanhas, enquanto em anos mais frios se mantém em altitudes mais baixas, o que, em parte, justifica o aumento substancial de casos observados nas regiões altas, disse Mercedes Pascual.

Na Etiópia, onde quase metade da população vive a uma altitude de entre 1.600 e 2.400 metros, os cientistas acreditam que pode haver muitos mais casos.

"Nós estimamos que, com base na distribuição da malária em função da altitude, uma elevação de um grau celsius da temperatura pode aumentar anualmente em três milhões os casos adicionais de malária em crianças menores de 15 anos", disse Mercedes Pascual.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, pelo menos 627.000 pessoas, nomeadamente crianças africanas, morreram de malária no ano passado, que registou 207 milhões de casos da pandemia.

Lusa / Agora

Opinião

  • A Cidade Alta entre dois pânicos: queda brusca da receita e alta da contestação política e social
    Mário Paiva
  • A estranha morte de ‘Nhô Mané’
    Júlio Gomes
  • A apelação do cineasta Zezé Gamboa a ecoar no deserto da ‘amnésia colectiva’
    Norberto Costa
  • Uma porta aberta aos nossos craques!
    Mateus Xavier
  • A prestação de contas pelas instituições públicas
    Galvão Branco
  • A cegueira pela carreira
    Lutchíla Fuco Carlos
  • O fôlego dos sonhos: respirando Agualusa
    Benjamim M’Bakassy
  • Onde está o MPLA?
    Alexandra de Victória Pereira Simeão
  • Os mucubais também já são ‘zungueiros’
    Júlio Gomes
  • Será o princípio do fim?
    Mateus Xavier
  • A fórmula do sucesso… existe?
    Benjamim M’Bakassy
  • A pátria não acontece, constrói-se!
    Alexandra de Victória Pereira Simeão


Regresso da ‘caça às bruxas’ da oposição

Até às eleições de 2017, muita água ainda rolará debaixo da ponte, mas o que se torna cada vez mais evidente é que, a cada dia, o MPLA perde espaço. E o sufoco que supostamente está a exercer sobre a oposição, tem feito despertar em muitos a consciência de que não sabe o que é efectivamente democracia, paz, liberdade, unidade e reconciliação nacional.

Agora